II Encontro de Macau

Biblioteca Digital

Visite a nossa biblioteca online

Biblioteca Digital

Homenagem

Filipe de Sousa

Pianista, Compositor, Maestro, Investig

.Comunicações

.Comunicações

Consulte ou faça download da nossa newsletter

MÚSICA E INSTRUMENTOS MUSICAIS CHINESES - 2ª. CONFERÊNCIA DE LISBOA

MÚSICA E INSTRUMENTOS MUSICAIS CHINESES - 2ª. CONFERÊNCIA DE LISBOA

Após o sucesso da edição de 2016, a denominada 1ª. Conferência de Lisboa, o Centro Científico e Cultural de Lisboa acolheu, nos dias 8 e 9 de Maio de 2017, a 2ª. Conferência de Lisboa sobre Música e Instrumentos Musicais Chineses, organização conjunta da Centro Científico e Cultural de Macau, do Instituto de Etnomusicologia – Música e Dança da Universidade Nova de Lisboa e do Instituto Confúcio/Universidade de Lisboa, com o apoio científico da VHIME e o patrocínio principal da Fundação Jorge Álvares.

A iniciativa contou com a participação de etnomusicólogos e investigadores de renome internacional, tendo por grandes linhas homenagear dois instrumentos chineses, ícones da música clássica e imperial, o “sheng” e o guqin”, que sobrevivem há mais de três mil anos na sua forma original.

Aberta a todos os interessados, esta iniciativa tem como principal alvo a academia portuguesa, procurando, sobretudo, criar um debate em torno da importância da música chinesa. O programa incluiu as seguintes palestras e iniciativas: Sheng: órgão de boca chinês, por François Picard, Université Paris-Sorbonne, Instituto de Investigação em Musicologia, A Cítara Guqin: Reino dos Sonhadores, dos Sábios e dos Loucos, por Frank Kouwenhoven, CHIME, Universidade de Leiden, Notações Musicais da China Antiga à Atualidade: noções gerais, pelo Departamento de Comunicação e Arte/Universidade de Aveiro, INET-md/UNL, Xamã: Repensar a Música e o Transe, por Xiao Mei, Conservatório de Música de Shanghai, Cultura ritual: Base Constante de uma Sociedade Local, por Stephen Jones, investigador independente, Londres, Li Manshan: O Retrato do Folclore Taoísta, um filme de Stephen Jones, A Política do Som: Registros e Revolucionários na China (1949-1976), por Andreas Steen, Escola de Cultura e Sociedade, Universidade de Aarhus, Dinamarca, Políticas e infraestruturas culturais: uma estratégia para a música ocidental e chinesa em Macau (1980-1999), por Énio de Souza, Instituto de Etnomusicologia, Música e Dança/FCSH/UNL, CCCM, Raiz da Cultura – A Promoção do Ensino da Música Chinesa em Macau, por Carol Veng Chong Chiu, Conservatório de Música de Macau, The music that I play shows where I had been”: Performance  musical em Macau, por Leonor Dias Azedo, Instituto de Etnomusicologia, Música e Dança/FCSH/UNL, Património Cultural Imaterial na República Popular da China: política e prática, por Helen Rees, Departmento de Etnomusicologia, Escola de Música Herb Alpert, UCLA, Molihua (Jasmim): a peça musical do folclore chinês, mais viajada, por  Frederick Lau, Centro de Estudos Chineses, Universidade do Hawai, Manoa.

Tendo estado patente ao público durante os dois dias dos trabalhos uma expressiva mostra de aguarelas Sizhu, Sil and Bamboo: Chinese Musical Instruments, de Mário Leitão (Mariot), a conferência  terminou com um magnífico recital de Música Chinesa, interpretado por Chen Jiannan, Sheng  e Lu Xiaozi, Guqin, do Conservatório de Música de Shanghai.

As duas conferências de Lisboa podem considerar-se preparatórias para a realização em 2018, também em Lisboa e no Centro Científico e Cultural de Macau, da 21ª edição da Conferência da European Foundation for Chinese Musical Research (CHIME).

« voltar