II Encontro de Macau

Biblioteca Digital

Visite a nossa biblioteca online

Biblioteca Digital

Homenagem

Filipe de Sousa

Pianista, Compositor, Maestro, Investig

.Comunicações

.Comunicações

Consulte ou faça download da nossa newsletter

COMEMORAÇÕES DOS 150 ANOS DO NASCIMENTO DE CAMILO PESSANHA

COMEMORAÇÕES DOS 150 ANOS DO NASCIMENTO DE CAMILO PESSANHA

A Comissão Asiática da Sociedade de Geografia de Lisboa, sob o Comissariado da Dra. Celina Veiga de Oliveira, sua Vice-Presidente, organizou, nos dias 18, 19 e 20 de Outubro de 2017, em Lisboa, e posteriormente a 9 de Novembro no Porto, um vasto, completo e interessante programa comemorativo dos 150 anos do nascimento de Camilo Pessanha, poeta que nasceu em Coimbra, a 7 de Setembro de 1867, e morreu em Macau, onde viveu desde 1894, em 1926.

O programa foi levado a cabo com a colaboração e apoio de várias instituições, entre elas, para além da Fundação Jorge Álvares, o Centro Nacional de Cultura, o Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a Associação Wenceslau de Morais, o Museu Nacional Machado de Castro, a Fundação Oriente, a Fundação Casa de Macau, o Museu Nacional Machado de Castro, o CLEPUL -  Centro de Literatura e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e a Universidade de Macau.

De acordo com a comissária Celina Veiga de Oliveira, "Pessanha, o grande ritmista, como lhe chamou Mário de Sá-Carneiro, era uma personalidade multímoda. Conservador do Registo Predial, era o substituto legal do juiz da comarca de Macau e legou-nos textos jurídicos que revelam uma viva inteligência e uma sólida cultura geral e jurídica, contribuindo, num caso, para alteração de jurisprudência. O deslumbramento que sentiu pela civilização chinesa levou-o a perscrutá-la com desvelo e curiosidade, afirmando que o estudo da sua língua e cultura proporcionava, a quem a ele se dedicava, um inefável deleite intelectual. Foi um entusiasta coleccionador de arte chinesa, oferecendo a Portugal um vasto espólio artístico, de grande valor.

Camilo Pessanha é sobretudo conhecido pela singularidade da sua poesia. Considerado o maior poeta do simbolismo português e um dos maiores intérpretes do simbolismo europeu, Pessanha manteve, no entanto, uma identidade muito própria, o que faz dele um poeta contemporâneo num sentido absolutamente temporal".

De entre as várias acções incluídas contam-se conferências, exposições – bibliográfica, de desenhos e de cartazes alusivos ao poeta –, declamação de poemas pela actriz Maria do Céu Guerra, e edições, com destaque para uma edição especial da primeira publicação de Clepsydra, de 1920, composta de 30 poemas, apresentados em lai-si.

 

« voltar